COMPARTILHE

Nosso Blog

COMPARTILHE
Nosso Blog

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Ole Kirk Christiansen era o décimo terceiro filho de uma família de agricultores, na Dinamarca. Desde cedo, aprendeu habilidades de carpintaria e, em 1916, adquiriu uma pequena empresa em Billund, sul do país, a Billund Woodworking and Carpenter’s Shop. Em 1924, a oficina foi destruída por um incêndio que consumiu as suas instalações. Mas Christiansen não se deu por vencido. Reconstruiu a edificação, ampliando um espaço para locações e reformou a oficina. Em 1932, passou a fabricar utensílios e brinquedos de madeira para sobreviver à Grande Depressão. Em 1934, ele criaria a Lego.
 
O sucesso da companhia é em boa parte atribuído à determinação de Christiansen em construir um negócio perene, ainda que contratempos fossem experimentadas ao longo do tempo. Ele valorizava a importância da qualidade de produção. Em particular, dizia: “Só o melhor é bom o suficiente”. O mote surgiu quando a Lego produzia brinquedos de madeira e seu filho Godtfred se gabou de usar apenas duas camadas de verniz num lote de patos de madeira. Ole mandou refazer os patos. Anos depois, seu filho gravaria na empresa a placa: ”Det bedste er ikke for godt”. O melhor não é muito bom.
 
Ole Kirk e sua equipe em meados da dec.30 
Em 1946, a empresa deu um passo ousado na produção de brinquedos com a compra de uma injetora de plástico. Isso levou à introdução de um produto chamado Automatic Binding Brick que entrou em produção em 1949. Ole e Godtfred Christiansen, seu filho, se inspiraram num projeto de cubo empilhável com duas fileiras de quatro pinos, projetado por Hilary Fisher Page. O design ainda seria modificado mas, em 1953, os tijolos foram batizados como:”tijolos de lego”. As vendas iniciais foram fracas, os tijolos não eram muito resistentes e as peças não se encaixavam perfeitamente.
 
Aos poucos o filho de Ole foi assumindo as responsabilidades no negócio e, em 1950 aos 30 anos,  Godtfred se tornou o vice-presidente da empresa. Com a ambição de entender melhor o negócio, ele embarcou em uma viagem de vendas que envolvia visitas a todos os clientes ao sul da Jutlândia. A viagem lhe angariou bons feedbacks e o ajudou a entender como os produtos eram exibidos nas lojas. Mas em 1952, Godtfred teve um desentendimento com o pai que queria expandir a fábrica e deixou a companhia. Mas algum tempo depois ele reassumiria a cia.
 
Christiansen com a esposa e os filhos – “Gepeto dinamarquês”
Godtfred é o criador do Lego System of Play que se tornou a pedra angular do brinquedo moderno Lego. Em 1954, ele visitou uma exposição de brinquedos na Grã-Bretanha, onde conheceu Troels Petersen gerente do departamento de brinquedos da Magasin du Nordem, de Copenhague. Peterson afirmou que a indústria de brinquedos não tinha sistema, e deu a deixa para Godtfred criar o “Sistema de Jogo” que mudaria para sempre a história da Lego. Ele definiu seis “Princípios de Brincadeira” que incluíam ítens como: acessibilidade, durabilidade e adequação para meninos e meninas…
 
Com os princípios postos, ele revisou o portfólio dos produtos Lego e considerou que o Bloco de Lego estava em conformidade com os seis princípios, além de ser o que oferecia mais possibilidades em sistema de jogo. Nos anos seguintes, Godtfred continuou a refinar o sistema e definiu os seus limites. Ele inclusive protegeu a integridade, limitando a gama de formas e cores. O portfólio aumentou mas foi estritamente controlado para garantir que todos os produtos estivessem enquadrados no protocolo. E foi com este sistema altamente focado, expansível e integrado que a Lego “virou o jogo”.
 
O brinquedo que virou jogo 
 
Godtfred desenvolveu um tema urbano único e integrado e resumiu: “A ideia é preparar as crianças para a vida, trabalhando com imaginação e desenvolvendo criatividade e inovação, força motriz dos humanos”. O System of Play foi lançado em 1955, na feira de Nuremberg. Apesar das críticas iniciais, fez sucesso na Dinamarca e depois na Alemanha. O sistema de jogo se tornou o foco do negócio. Godtfred completou: ”todos os elementos se encaixam, podem ser usados de várias maneiras, podem ser construídos juntos com os tijolos antigos se encaixando perfeitamente com os do futuro”.
 
Em 1957, Godtfred assumiu a direção executiva, após a morte do pai, no ano seguinte. Em 1960, a companhia sofreu um novo incêndio que arrasou totalmente a fábrica de madeira. Godtfred decidiu se concentrar totalmente na produção de tijolos de plástico e encerrar a operação em madeira. Os tijolos de Lego eram mais conhecidos na Europa Ocidental e os brinquedos de madeira, apenas na Dinamarca. Mas seus irmãos Karl Georg e Gerhardt não concordaram com a decisão e decidiram deixar a empresa. Godtfred comprou as ações dos irmãos e ficou com 100% da empresa.
 
Projeto com 3 câmaras patenteado pela Lego 
Godtfred desempenhou um papel fundamental no desenvolvimento do Tijolo Lego. Após elucubrar sobre soluções para os produtos, esboçou algumas idéias até entregá-la ao designer Ove Nielsen, chefe da oficina de moldagem. O projeto era de um novo tijolo com dois tubos. Mas ao voltar do escritório de patentes, ele passou a considerar que três câmaras de ar seriam mais eficazes. Pediu ao designer que criasse uma nova amostra a ser enviada ao escritório. O projeto com os três tubos internos da embreagem foi patenteado em 1958 para virar o projeto icônico da Lego.
 
A partir da década de 60, havia um interesse nos modelos de criação da Lego que resultavam em um número crescente de visitas à fábrica. Os eventos constantes atrapalhavam sobremaneira o sistema de produção. Godtfred decidiu então exibir os modelos ao ar livre e pediu ao designer dinamarquês Arnold Boutrup que criasse um parque. Numa área de 14 acres próximo à fábrica da Lego, foi criada a Miniland, com paisagens de casas no melhor estilo enxaimel, ambientes e modelos desenvolvidos com tijolos de lego que se tornaria uma grande atração turística da Dinamarca.
 
Miniland
Anos 60: O crescimento
 
A empresa já possuía mais de 450 funcionários quando a Lego chegou aos EUA, em 1961. Neste ano, foram introduzidas as primeiras rodas lego, um importante acessório que expandiu as possibilidades do brinquedo, permitindo montar carros, caminhões e demais veículos, inclusive carros de verdade para locomoção com blocos originais. Nesta época, a empresa também lançou os primeiros conjuntos voltados especificamente para o segmento da pré-escola, e assinou um termo que permitia à Samsung produzir e comercializar produtos Lego no Canadá, acordo que perdurou até 1988.
 
O número de diferentes conjuntos do Lego System of Play cresceu para mais de 50 modelos nesse período. A partir de 1963, a matéria-prima usada na fabricação dos blocos Lego, o acetato de celulose foi substituída pelo acrilonitrila butadieno estireno(ABS), um plástico mais estável, utilizado até 2004. As vantagens eram consideráveis: não tóxico, menos sujeito a descoloração e deformação e mais resistente. As peças Lego de 1963 ainda mantém suas formas e cores, conservando a capacidade de encaixe depois de 40 anos. Em 1964, os jogos passaram a vir com o manual de instruções.
 
Um dos ítens mais populares da empresa veio a público em 1966: O Lego Train System que incluía um motor elétrico de 4,5 volts e trilhos. Dois anos mais tarde, um motor de 12 volts passou a integrar a série. A expansão do grupo foi marcada com a inauguração em 1968, do Parque Temático Legoland, em Billund. Nesse ano, a empresa atingiria a marca de mais de um milhão de conjuntos vendidos. No ano seguinte, foi lançada a linha DUPLO, sistema voltado ao segmento de crianças pequenas, com peças maiores e mais compatíveis com os blocos clássicos.
 
Legoland Flórida
Anos 70: A expansão
 
O crescimento da empresa foi de tal ordem que o problema principal da companhia era conseguir controlar a expansão. O número de colaboradores mais que dobrou em 10 anos. Questões como: processos de fabricação, distribuição, logística, controle de qualidade e marketing passaram a demandar mais importância com o crescimento e a entrada em novos mercados. O primeiro segmento abordado foi o das meninas, com a linha de peças de mobiliário e casas de bonecas. Em seguida veio o de meios de transporte, com conjuntos de barcos e navios flutuantes.
 
Após se graduar em Escola de Negócios, Kjeld Kirk Kristiansen se juntou à administração do Grupo. Suas primeiras ações foram realocar as instalações da fábrica e a criar o Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento a fim de atualizar métodos e processos do Grupo. O lançamento do Lego Family, um dos ícones Lego foi antecipado com imediato recorde de vendas. 1975 foi marcado pelo lançamento da Expert Series, depois Expert Builder, voltada ao público master com eixos, engrenagens e juntas universais que permitiu a construção de modelos mais realísticos. Inauguração de duas fábricas nos EUA.
 
As novas ”minifigs” foram lançadas em 1978, caracterizando o universo clássico Lego. As figuras foram utilizadas em centenas de conjuntos, permitindo a construção de cidades, edifícios, estradas, veículos, trens e barcos povoadas com minifigs, os cidadãos da Legolândia. O final da década trouxe o LegoSpace, com astronautas, foguetes espaciais, veículos lunares, espaçonaves tripuladas e demais produtos que se tornaram um sucesso de vendas. Kjeld assumiu a presidência do Grupo LEGO, fechando com mais uma década de crescimento.
 
Constelação de Minifigs
Anos 80: A educação
 
Os blocos Lego foram percebidos pelos educadores como uma ferramenta valiosa para auxiliar crianças e jovens a desenvolver a criatividade e a capacidade de resolver problemas. Desde os anos 60, professores utilizavam os blocos em sala de aula e em uma variedade de atividades acadêmicas. Em 1980, a Lego Group criou o Departamento de Produtos Educacionais, depois Lego Dacta, com a função de ampliar possibilidades da área educacional. O ano de 1980 foi marcado pela inauguração de uma fábrica de montagem e embalagem na Suíça e outra de pneus na Jutlândia-Dinamarca.
 
Os conjuntos Luz e Som foram lançados em 1985. Eles incluíam caixa de pilhas e outros acessórios que conferiram às construções Lego um novo grau de realismo. A divisão educacional lançou o Technic Computer Control que foi o embrião do sistema educacional com a possibilidade de construir: Robôs, caminhões, carros  e outros veículos motorizados, agora controladas pelo computador. Em agosto de 1988, trinta e oito crianças de dezessete países tomaram parte na 1ª Lego Word Cup, em Billund. No mesmo ano, finalmente foi estabelecida a Lego Canadá.
 
Lego Dacta lançado na dec.80
Anos 90: A tecnologia
 
A década foi marcada por diversos avanços e inovações com o lançamento da nova linha para construtores avançados: a Model Team apresentou um carro de corridas e um veículo fora de estrada incorporando níveis de detalhamento e realismo até então nunca visto nos produtos Lego. A linha Technic se mostrava mecanicamente acurada, os conjuntos Model Team eram visualmente e esteticamente impecáveis. Em 1990 o Lego Group se tornou uma das dez maiores empresas de brinquedos do mundo e a Legoland superou a marca de um milhão de visitantes/ano.
 
O primeiro professor de Dinâmica de Negócios, Xavier Gilbert foi indicado para uma cadeira no International Institute for Management Development, em Lausanne-Suiça. Inauguração da Lego Malásia. Em 1991 a empresa padronizou os componentes e sistemas elétricos dos conjuntos produzidos. Os motores dos trens e da linha Technic passaram a ser produzidos em 9 volts, compatibilizando-os com o restante das linhas Lego. Dois recordes foram registrados pelo Guineess Book em 1992: um castelo construído com 400 mil Tijolos de Lego e, uma Ferrovia Lego, com 545 metros de extensão .
 
Interatividade e tecnologia
Anos 2000: A crise
 
“É curioso como a popularidade de um brinquedo de montar cresce em ritmo alucinante em plena era digital”. A frase é de Jorgen Vig Knudstorp, atual CEO da Lego que assumiu a empresa em 2004, o primeiro alto executivo sem parentesco com a família. Encontrou uma empresa à beira da falência e crise de identidade. “Ela estava no divã e perdida ao lidar com questões de como sobreviver aos computadores e videogames”. Em 2003, as vendas despencaram 26%, os prejuízos batiam US$ 200 milhões.
 
A gestão anterior havia estratificado a Lego em várias áreas na tentativa de atender aos anseios do novo consumidor. Nesse período, a empresa lançou bonecos de ação prontos Galidor. Investiu numa unidade de desenvolvimento de jogos eletrônicos, produziu roupas e relógios com a marca. Ampliou a divisão de parques abrindo unidades Legoland na Inglaterra, Estados Unidos e Malásia. Sem foco e com atuando em várias frentes, a empresa aumentou seus custos, sem obter o retorno desejado.
 
A crise de 2008
Economista de formação com passagem pela McKinsey & Co., Knudstorp iniciou um plano de recuperação que duraria quatro anos, de 2004 até 2008, mas a recessão de 2008 estendeu o período. Foram cortados 1,9 mil postos de trabalho, 30% da mão de obra na época. Reduziu de 13 mil para 7 mil o total de peças produzidas, eliminando versões similares de um mesmo elemento. Havia, por exemplo, duas minifigs para representar o chef de cozinha: uma com bigode e outra sem. O bigodudo sobreviveu.
 
A empresa se desfez de unidades de negócios não lucrativas, como a divisão games que passou a ser feita pela Travellers Tales Games, licenciada Lego. Em 2005, 70% da participação nos parques Legoland foi vendida para a Merlin Entertainment. Em meio ao cenário de terra arrasada, dois produtos seguraram a companhia: a linha Star Wars de 1998, a primeira sob o formato de licenciamento, e os bonecos Harry Potter criados em 2001. A família Christiansen injetaria US$ 100 milhões na Companhia.
 
 
A era digital 
Anos 2010: A retomada
 
Os dinamarqueses não são, convenhamos, famosos pela habilidade de dançar e cantar. Mas a falta de destreza no ramo não intimidou Knudstorp. Em 2014, quando da divulgação dos resultados anuais, ele soltou a voz e o quadril, ergueu os braços, arriscou um rebolado e entoou com uma voz de barítono afônico: “Tudo é incrível. Tudo é muito legal, quando você faz parte do time. Tudo é incrível, quando você está vivendo um sonho”. A semelhança do CEO com um minifig era fantástica.
 
A canção escolhida era a música-tema de “Uma Aventura Lego”, o longa-metragem que deu vida aos personagens Lego e se transformou numa sensação nos cinemas de todo o mundo. O filme arrecadou US$ 470 milhões, soma digna de super-produções hollywoodianas. Knudstorp tinha muitos motivos para trocar a sisudez desse tipo de evento, pela exaltação natural. Ele foi a público anunciar que 2014 foi o melhor ano da história da Lego, então com oito primaveras de atividades.
 
Tudo é incrível, música tema do filme: Uma Aventura Lego
Os números, indicavam que as vendas Lego aumentaram em todos os mercados de atuação, com resultado de US$ 4,4 bilhões, 13% a mais do que em 2013. O lucro líquido cresceu US$ 1 bilhão. “Normalmente, comemoramos as conquistas olhando uns para os outros dizendo: Poderia ter sido pior’, disse Knudstorp. “Somos pessoas discretas do interior da Dinamarca. Mas quando você está feliz é importante se expressar como uma criança, principalmente numa empresa como a nossa.”
 
A companhia de brinquedos dinamarquesa se tornou a maior do Planeta. Também foi escolhida a marca mais poderosa do mundo pela Brand Finance (com especialistas de mais de 20 países), desbancando a Ferrari, vencedora no ano anterior, além de Nike, Coca-Cola e Walt Disney. “A capacidade de se comunicar com pessoas de diferentes gerações ajudou a Lego a chegar ao topo da lista”, diz Robert Haigh, diretor da Brand Finance. “São poucas as empresas com essa habilidade.”
 

Jorgen Knudstorp, o CEO
O êxito nas telonas, no entanto, é apenas uma das cenas que compõem o enredo de ascensão da Lego. O crescimento das vendas explica-se por uma série de ações colocadas em prática desde 2008. No geral, elas tiveram o objetivo de transformar a Lego em uma companhia cada vez mais global. Para isso, a empresa ampliou a presença em novos mercados, sobretudo nos emergentes, onde o ritmo de crescimento do setor de brinquedos tem sido três vezes maior que nos países desenvolvidos.
 
Diferentemente de suas concorrentes, a Lego não faz aquisições. Seu crescimento nos mercados é sempre orgânico. Ela conquista novos consumidores e os convence a comprar mais e mais bloquinhos. Tem dado certo. Desde 2008, a Lego cresce de forma ininterrupta muito acima da média do setor. Entre 2008 e 2013, as vendas aumentaram 166%. O mercado de brinquedos (excluindo games) cresceu, no mundo, 14%, totalizando US$ 84,5 bilhões, segundo a Euromonitor.
  
Corcovado de Lego
Um mercado em crescimento é o Brasil onde a empresa tem um escritório comercial desde 2014 em São Paulo. “Nosso objetivo é permitir que um número cada vez maior de crianças tenha acesso aos tijolos da Lego”, diz Knudstorp. “Por isso, é importante entendermos melhor a realidade de cada economia.” Os esforços trouxeram bons resultados. As vendas da Lego no Brasil não param de crescer e já contam com 13 Lojas Conceito espalhadas pelo país.
 
Tijolo Lego foi eleito o brinquedo do século XX pela revista americana Fortune e pela associação britânica do setor. E com chances de sobreviver ao século XXI. À semelhança de marcas como Apple, ela não atrai somente clientes, e sim aficionados. Existem centenas de comunidades de Lego no mundo, promovendo discussões e compra; venda de peças raras e encontro de fãs. Alguns ítens chegam a custar US$ 3,5 mil. No Brasil há o LUG-Lego Users Group, com 3 mil seguidores.
 
Anos 2020: A Sucessão
 
Em 1973, Godtfred deixou o cargo de diretor executivo e assumiu a presidência do Conselho de Administração. A LEGO passou então a ser dirigida por Vagn Holck Andersen. Godtfred faleceu em 1995. Em 1979, Kjeld Kirk Kristiansen assumiu como CEO, presidindo a empresa por 25 anos. Ele inseriu a cia. na era digital e transformou a LEGO numa das marcas mais populares do mundo.
 
Kjeld também foi responsável pelo crescimento da holding familiar. Ele é conhecido também por seus investimentos em energia limpa e negócios de entretenimento. Segundo a Forbes 2021, é o homem mais rico da Dinamarca com uma fortuna estimada em US$ 8,7 bilhões. Desde jovem, vivenciou o cotidiano da empresa e o responsável pelo crescimento da LEGO em escala global.
 
A 4ª geração dos Kristiansen
 
Desde 2016, a Lego passa por um processo sucessório. Em 2019, parte da transição foi concluída com a saída de Kjeld do Conselho de Administração. Ganha destaque Thomas Kirk Kristiansen, 4ª geração da família que passou a ocupar uma cadeira no Conselho. Estima-se que Kjeld detenha 75% do grupo e outros  25% estão em poder da Fundação Lego. Resta saber se a empresa pretende finalmente abrir o capital?
 
LEGO Group é hoje, uma empresa transnacional que atua em mais de 140 países e emprega mais de dez mil pessoas. As características que nortearam sua criação a tornaram popular de pais para filhos, com produtos afeitos à educadores e terapeutas, utilizados como recreação e também no processo ensino-aprendizagem; influenciando campos distintos do conhecimento.
 
Coisa de Cinema
 
O Filme: “Uma Aventura Lego” foi o ponto de inflexão da virada do crescimento e o aumento da popularidade da marca. Produzido pela Warner Bros., a animação narra a história de Emmet, a “minifig” que tem a missão de salvar o planeta do tirano Lord Business. O filme virou uma febre ao transpor para as telas a magia dos cenários criados com os brinquedos de montar, além de um enredo cômico, cheio de referências aos super-heróis e autores clássicos como Shakespeare.
 
 
Lego House
 
A Lego House é um edifício com 12.000 metros quadrados preenchido com 25 milhões de Tijolos de Lego, situado em Billund-Dinamarca ao lado da Legoland e da sede do Grupo Lego. Ela é conhecida como a Casa do Tijolo e foi projetada pelo arquiteto Bjarke Ingel. A obra foi concluída em 2017. São 12 mil metros quadrados com 4 andares de pavimentos e capacidade para 2500 pessoas, adultos e crianças. É uma mistura de museu e área de diversão para os aficionados por Lego.
 
Tour pelo interior da Lego House
 
Música de Ed Sheeran “Lego House”
 
915.104.765
 
É o número de combinações diferentes que você pode fazer com apenas 6 Tijolos de Lego, os tradicionais de 2×4. Boa parte do trabalho da empresa é encontrar as melhores combinações para agradar o público. Os brinquedos mais icônicos da história completaram 90 anos e a comemoração é dobrada. Por conta da Pandemia, a receita da empresa cresceu mais de 50%. E, mesmo com a quebra da patente nos anos 80, a
Lego não para de crescer, licenciando novas marcas como Lego: Star Wars, Marvel, Harry Potter, Super Mario, Disney e Batman…
Construção da maior torre de Lego do mundo
Torre finalizada com altura de 36 metros

Tags

SHARE:
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter

9 respostas

  1. Ficou muito legal a matéria, não tinha muito conhecimento sobre a construção desta empresa, embora Lego tenha feito grande parte de minha infância. Nunca tive muitas peças, porém um amigo meu de infância sim tinha, e com isso passávamos horas e dias contruindo infinitas combinações.

  2. A maioria das empresas foi oriunda da Grande depressão ( a maioria acabou falindo, mas aonde uns perdem outros ganham). Apesar disso, é uma empresa que não se conteve em só um tipo de comércio, se estendeu para jogos, filmes, séries, além dos brinquedos. Porém, se tratando no valor dos brinquedos no Brasil, podemos dizer que são caros, porque além da conversão do dólar para o real ainda tem as tarifas. Então seria interessante uma campanha dessas grandes marcas para ajustar o preço dos brinquedos e derivados a localidade. Com tudo, lego é algo divertido que nos educa desde jovens, mas espero que nossa população em um futuro próximo possa ter acesso com mais facilidade. Adorei o texto pois pude refletir sobre muitas coisas, obrigada pelo excelente conteúdo.

    1. Verdade. A Pandemia em alguns casos causou o mesmo efeito. Escola básica, Market Place e serviços de entrega estão voando alto. Obrigado por comentar Sarah.

    2. A indústria de brinquedos no Brasil sempre teve uma tolerância das autoridades em relação às patentes, pelas condições sócio-econômicas do país. A vinda da LEGO para o Brasil é um marco nas relações e possibilidades de parcerias com a indústria nacional.
      Obrigado pelo seu comentário Sarah.

  3. Minha infância na casa da minha avó era fazer inúmeras combinações de Lego junto ao meus primos, fiquei até surpreso quando li sobre o tamanho que se tornou a empresa. Excelente material que vocês trouxeram
    Parabéns

    1. O brinquedo passou a ter múltiplas funções e parece que se reinventa a cada década. Caso de sucesso mundial.
      Obrigado pelo comentário.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Confira outros posts

(13) 3288-1886

contato@veyoung.com.br

Rua Amador Bueno, 333
Conjunto 1616

Centro
Santos – SP

V&Young Propaganda LTDA 2000-2022 © Todos os direitos reservados